Viva pelos bons momentos, mas não os transforme em mote de vida. Um momento bom é eternizado por quem vive na lembrança, ao imaginar as cenas, os gostos, os odores, as sensações. Quando a busca por um bom momento torna-se um padrão, este deixa de existir. Um bom momento a gente faz, mas se fizermos sempre a mesma coisa, vira rotina. E a rotina é chata. Se estar com os amigos é algo mágico, a magia acontece por não ser cotidiano, caso contrário ver os amigos seria comparado a ficar no trânsito ou a estudar. Se você ama viajar, só ama porque faz isso poucas vezes em um ano, caso contrário a viagem se tornaria obrigação e a obrigação é um desprazer. Se você adora sair para beber, dançar ou cantar, só adora pois isso deforma a sua rotina, quebra o que é corriqueiro e dá a impressão de que ser livre é questão de escolha. E é. Até a liberdade em excesso torna-se um costume. Acostume-se em não se acostumar.

Leia também...