Quem quer, e - Um sentimento por dia

Inveja? Deus que me livre! Inveja é coisa de gente que não consegue ser melhor do que esse cara, né? E, diga-se de passagem, isso aí que ele faz todo mundo sabe fazer. Eu não tenho inveja dele e nem de ninguém. Eu sei que sou bom e nem preciso fazer as coisas do jeito que ele faz. Aliás, se eu fizesse o que ele faz eu arrasaria, pois se ele é bom, eu sou incrível. Odeio falsa modéstia e por isso falo mesmo. Sou muito bom em tudo em que me dedico, por isso nem me dedico muito, pois sei que o meu o meu bom é o que ele acha excelente e o bom dele é uma merda. Eu me contento. Sei meu lugar e não fico querendo aparecer que nem esse aí. Você sabe que tudo isso é carência, não sabe? Essa gente muito aparecida, que quer chamar atenção toda hora é coisa de quem não tem amigos, não tem quem goste, não tem nada. Eu estou ótimo aqui no meu canto. Todo mundo me ama e não precisam ficar me provando, falando sobre. Nem gosto. Odeio gente que quer chamar atenção. Quem quer, é. Quem é, não precisa ser. Deixa ele lá, sendo ridículo. Vou continuar aqui, sendo falso.

Quanto custa um pecado - Um sentimento por dia

Me ensinaram que eu nunca poderia pecar. Frequentei a igreja, fiz catequese e sempre ficou claro que o pecado é o inimigo de quem busca a plenitude. Mas nunca me ensinaram que para aprender, preciso errar. O pecado precisa arder no fundo da alma, no centro do peito, no meio da carne para que eu saiba o quão ruim aquilo é para a minha vida ou a dos outros. Nunca houve uma palavra da liturgia que me dissesse que os erros são caros e que muitas vezes você não vai ter dinheiro para pagar, então o pecado vai se tornar um carnê interminável que te pune toda vez que você lembra que ainda deve. Nenhum Espírito Santo desceu para dizer que todos os pecados que já cometi tornariam-se tormenta, converteriam-se ao conformismo até chegar a redenção. Aprendi, sozinho, que pecar é a busca da perfeição na imperfeição do erro.

Créditos: http://bit.ly/1c9sUjV

Nunca acreditei em almas gêmeas. Como posso saber que o amor da minha vida está na fila do pão, sendo que eu só compro pão de forma? Como saber se essa pessoa está esperando por mim na pista de uma balada de rock, sendo que eu só saio para dançar pop? Como posso saber que a pessoa que vai mexer com os meus sentidos sentou ao meu lado no ônibus, sendo que eu tenho que descer no próximo? Jamais saberei.

Se a minha metade da laranja existe, ela foi desidratada para virar Tang e todo mundo já bebeu um pouco desse amor. Se a tampa da minha panela está por aí eu nunca vou saber, pois só como fora e nunca visito a cozinha dos restaurantes. Se o chinelo para o meu pé cansado existe, ele deve ser da coleção do verão passado da Havaianas e não vou encontrar mais para vender.

Já sei que nunca vou me deparar com uma alma gêmea, mas acredito em destinos cruzados. Um dia o seu destino vai cruzar com o meu e nascerá o que a gente chama de amor. Quando isso acontecer, te empresto a minha alma e você empresta a sua. Elas nunca serão gêmeas e eu me contento com almas apenas parecidas. Nunca gostei de Gêmeos, prefiro ser de Libra.