Não aguentava mais. Estava saturado de fazer muito, de ser tudo, de ser bom. A sua bondade era constantemente deturpada, estragando a sua empatia a ponto de se sentir mal por ser tão generoso e conciliador. Estavam conseguindo machucar aos poucos o seu caráter, a ponto de colocá-lo em dúvida sobre as suas escolhas. A partir deste momento, teve certeza: não era aquilo, não mais. Estava disposto a novos desafios e caminhos, mesmo que isso significasse se decepcionar mais um pouco. Deu o primeiro passo e tirou de si parte do tormento. Compartilhou com o atormentador um pedaço de seu desespero, para que este entendesse um pouco do desgosto por dentro. Tomou iniciativa, iniciou um novo ciclo de mudanças.

Leia também...