Desenhou a vida que sempre quis.

Com seu lápis preto,
colocou no papel uma infância de dar inveja a qualquer criança.
Barra-manteiga,
quebra-cabeça,
queimada,
videogame,
fantoches,
faz de conta.

Desenhou a melhor escola,
a melhor escolha,
“o primeiro da classe”.
Tirou “A”,
tirou “10”,
tirou suspiros dos professores.

Se formou e desenhou o melhor emprego.
Se tornou profissional,
tornou o trabalho em carreira,
contornou os chefes,
tornou-se empresa.

Ilustrou uma vida sem sentimentos.
Riscou o amor
Borrou a angústia,
Rasgou o prazer.

Viveu, mas em preto e branco.
Nunca amou em vermelho,
sentiu azul céu ou azul mar,
viu verde-esperança.
Deixou em branco,
amarelou.

A vida,
sem cor,
é só rabisco.

Leia também...